Um sonho orgíaco dancei

Num sonho orgíaco dancei com versos embebidos de mel e sal.
Palavras ousadas deslizavam em alternância
diante dos meus olhos inquietos de rebuscas antigais,
outras tocavam-se e arrepios líricos enchiam lágrimas em olhos sedentos.
Cada palavra áspera vã ou pessegal beijava meus lábios,
que se queriam cerrados calados.
Risos cálidos e claros.
Invadi-me nuvem aspiral
danças esquizofrênicas
lambendo violinos de rasgantes doçuras
meu corpo desviou-se em orgasmos líricos
desdobrando-me prazer letrais
E as palavras que eu desejei em suspiros gráficos?
Ocultavam-se em risos brincantes e provocavam meus anseios de liras ancestrais,
Estipulavam desafios, assoprando que
gritasse num gozo agônico minha ânsia tátil.
Ah! E o poemas diziam-me e me diziam de faces coradas...
Escorrem versos sob minha pele,
Tocar as palavras e sentir suas pétalas agudas entranhando se em mim.
Eu as vi! Vi suas constâncias artes!
Certas palavras que não me deixam,
tautologias percorrentes
e num poetar ainda que disfarçadas
insurgindo-se pois têm vidas estas palavras
e gritei re-afirmando que se ocultem
ora, que voltem para os recônditos dos dizeres da infância.
Ou aos beijos molhados da adolescência.
Não vêm que estou por outros caminhos?
Gargalharam de minhas tolas meiguices,
Tive desejos de agarrar e descobrir suas entranhas,
Mas ressurgem e insurgem-se quando as vejo ali estão cravadas e flutuantes.
E mostram-me seu dentes coloridos a rir-se das minhas ingênuas desditas...
Alternâncias sem pudores entres luzes e sombras.
Deixei por fim que chegassem a mim.
Sussurrantes e irônicas..
Ser! Afoita transformação sem desdizer-me.
Gemidos gentis volutam renasceres...
Toquei a verde face de tuas palavras em rimas cúbicas;
Deliciei-me com nossos murmúrios ébrios
e descaradamente o poema segredante
timpanou meus sentidos em ácidos delírios.
Despertar-se em ânsias por chãos de papiro
e orvalhei meus dedos líricos,
Num suspiro de verborragias oníricas adormeci em meus descaminhos.




2 comentários:

Thor disse...

Um deleite lírico, sem mais comentários, pois as palavras revelam-se por si.

Arkadius disse...

Saudações, milady.
Ah, que delírio... texto de voluptuosas palavras!
Bela, bela e bela!
=}
Como Thor disse, tá falado, hehehe.

Licença de uso do conteúdo deste blog

Creative Commons License Este Blog e os textos aqui publicadoes estão licenciados sob uma licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.