essência de uma insana urbe


E nas farpas do neon estilhaçado das esquinas
dissolveu-se enfim em gotas de um vinho azul

derramou-se tinta rubra nas calçadas
nos passos dilacerados das vielas
sangrou e riu das veias nuas
soergueu-se quimera

e era essência urbana
anjo turvo e bêbedo
era o vírus
e a febre
a lascívia
  o açoite
farpas de uma eterna noite


a solidão do amanhecer que não viria

era o som de um blues faminto e triste
interrompendo taças e gargantas embargadas
trincando e entrelaçando vidas e suspiros

ela que sonhava no trigésimo andar
fez do seu último voo tatuagem rubra
na calçada de uma noite em febre

arte andrógina rabiscada em sangue e giz
sob saltos e sonhos de uma urbe insana

3 comentários:

Carmela disse...

Lastima no puede coger bien tus versos, pero aún así hacen vibrar.
Biquiños.

isaias de faria disse...

seus haicais no graffiti ficaram ótimos!

Rart og Grotesk disse...

adorei o poema!!gostei bastante dessa parte "era o som de um blues faminto e triste interrompendo taças e gargantas embargadas
trincando e entrelaçando vidas e suspiros"
achei o máximo!
se quiser, acesse meu blog http://artegrotesca.blogspot.com

Licença de uso do conteúdo deste blog

Creative Commons License Este Blog e os textos aqui publicadoes estão licenciados sob uma licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.