Sinestesia

Des-e-folheada
derramada de palavras

suspira ao tato
esguia tela
em verso-aquarela

Espiam cílios

entre fenestra
 
Singela orquestra
sublima cor
paisagens
papiros
 
Ao sem-fim
navegam nenúfares
nuances e relances
em cromática poesia

 
e da montanha
alquimia de um João,
ofício poeta.

Ao beijo-sol

nasce preguicenta
flor-poema
 
Rumorejam borboletras:
ah, que bela!


         Dedicada ao poeta Da Montanha,um João. 

3 comentários:

Carmela disse...

Gusto leerte otra vez meniña.
Un biquiño.

Aмbзr Ѽ disse...

vim deixar antecipadamente meus desejos de feliz natal e um 2011 repleto de paz e sucesso em sua vida. Tudo de bom, você merece.

estou saindo de férias mas sempre que possivel, lhe farei uma visita para apreciar seus posts.

abraços fraternos:

http://terza-rima.blogspot.com/

Rart og Grotesk disse...

nasce preguicenta flor poema, demais!!
usou palavras de forma bem difetente, ficou criativo, adorei!

meu blog ta atualizado http://artegrotesca.blogspot.com
bjos

Licença de uso do conteúdo deste blog

Creative Commons License Este Blog e os textos aqui publicadoes estão licenciados sob uma licença Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.